Living History: Vivendo a História onde ela aconteceu


Quantas vezes você visitou um local histórico e se pegou imaginando como teria sido viver ali no passado? Com a técnica de living history, nós podemos transformar sua imaginação em realidade.

living history crianças

Jay Anderson definiu living history como a prática de simular a vida como ela era em outras épocas. A gente vai mais além e acrescenta: simular e experimentar a vida em outras épocas. Foto: Mutton Park / Reino Unido.

 

Locais históricos são um convite para exercitar a imaginação. Ao circular em meio a construções antigas, temos a impressão de que a qualquer momento estaremos frente a frente com um personagem do passado. Já imaginou como seria se a história ganhasse vida diante de seus olhos e você pudesse participar dela?

Em vários lugares do mundo essa experiência já é possível e tem nome: living history ou “história viva”, em bom português. Seja em museus especializados ou em associações civis, os apaixonados por História têm se reunido com o objetivo de pesquisar e reconstruir em detalhes a vida em outras épocas, para tentar entender melhor como viviam as pessoas comuns. Nós acreditamos que História vai muito além dos livros e das figuras importantes sobre as quais nos falam na escola e nos esforçamos para que outras pessoas também saibam disso.

 

Living History: A História como Experiência

Para os praticantes de living history, o passado tem cores, sabores, texturas, cheiros e sons. Todos esses elementos faziam parte do dia-a-dia de quem estava nas cozinhas e enfermarias enquanto os banquetes e as guerras aconteciam. É o tipo de coisa que não é possível entender completamente apenas lendo sobre o assunto. Aí é que entra a living history.

living history cozinha

No Museu em Attingham Park, um grupo de crianças experimenta a vida na Inglaterra do início do século 19.

Imagine o seguinte cenário: você visita um museu histórico daqueles que conservam a montagem de uma casa antiga, com todos os móveis e objetos. Você passa por todos os cômodos, vê aqueles objetos incríveis, mas tudo o que pode fazer é olhar para eles, ler as placas de identificação e tirar algumas fotos (sem flash, crianças!). Agora imagine se você pudesse entrar na cozinha do museu-casa e aprender sobre os utensílios antigos cozinhando uma receita histórica, com uma cozinheira da época passando todas as instruções e contando sobre o dia-a-dia dela. Ou visitar uma fortaleza do século XVIII e fazer um treinamento com a guarnição, enquanto os soldados te contam tudo sobre o sistema de defesa do litoral e as dificuldades da vida militar.

Parece incrível, não? E é – além de incrível, totalmente possível. Por um motivo: nós aprendemos muito mais quando fazemos alguma coisa na prática e quando a atividade mexe com todos os sentidos. Em outras palavras, uma experiência.

 

Living history ou teatro?

 

Quando as pessoas encontram nossos personagens históricos em um evento, logo nos perguntam se é teatro. A dúvida é natural e a gente entende a confusão, mas vamos explicar porque não somos um grupo de teatro.

Living history é sobre pesquisa histórica e reconstruir uma determinada época da maneira mais fiel possível, o que inclui não só roupas e objetos, mas até o comportamento das pessoas: o jeito de andar, a postura, o vocabulário e até o modo de falar e os gestos. Por trás de cada personagem existe uma pesquisa imensa em jornais, diários, cartas, livros,  fotografias, pinturas e qualquer outro objeto ou documento da época que nos ajude a entender como se vivia naquele tempo.

living history ragged victorians

O grupo Ragged Victorians, da Inglaterra, apresenta ao público o lado menos glamuroso da Era Vitoriana, reconstruindo as vidas e dificuldades da população pobre de Londres. Tudo a partir de uma extensa pesquisa em fontes originais da própria época.

O personagem histórico, que nós chamamos de persona, pode ser real ou fictício, mas mesmo nesse último caso ele é criado a partir de informações sobre pessoas reais e suas vidas. Aqueles que dão vida às personas são chamados de intérpretes, pois o trabalho deles é pegar todas as informações da pesquisa e “traduzir” isso para quem participa dos eventos de uma forma lúdica, agradável e natural. Aqui na SHD, nossos intérpretes são historiadores especializados, com um conhecimento sólido sobre cada época que reconstruímos. É por isso que nós não trabalhamos com um texto pronto: nossos intérpretes vão apresentando as informações de acordo com o clima e a reação de cada público.

No teatro, o escritor e o ator têm liberdade para criar enredos que não precisam ser fiéis à história de uma época específica. Nós podemos ver isso claramente em novelas e filmes de época, onde os personagens usam certas palavras e até figurinos que não são adequados para o período representado. Essa é mais uma diferença da living history: nós temos o compromisso de sempre representar tudo historicamente correto ou o mais próximo disso que conseguirmos chegar, dentro dos limites da segurança e da higiene ?.

Ficou curioso(a)?

A SHD é pioneira em living history no Brasil, realizando ações de educação junto a escolas e museus. Desde 2016, atuamos também no segmento de turismo com a Floripa Dazantiga, trazendo a técnica de living history para roteiros urbanos que valorizem o patrimônio histórico e cultural da Grande Florianópolis.

Consulte nossa agenda de atividades e venha viver a história onde ela aconteceu.


About S.H. Destherrense

Somos um grupo de reconstrução histórica com sede em Florianópoolis-SC e vamos levar você em uma viagem no tempo pela nossa história.